| | |

O jogo Death Stranding é inspirado nos fortes antebraços japoneses que preservam a herança!

Publicidade

Desde o seu lançamento em 2019, Death Stranding gerou ampla controvérsia entre os jogadores, e as opiniões foram divididas sobre sua ideia única. Enquanto alguns o consideraram revolucionário e novo, outros o consideraram enfadonho e desprovido de entusiasmo.

Publicidade

Mas depois de quase 5 anos, é hora de revelar sua incrível fonte de inspiração. Neste artigo, mergulharemos em uma viagem no tempo, desvendaremos as raízes históricas de Death Stranding e descobriremos como o diretor Hideo Kojima se inspirou no passado para nos trazer uma experiência de jogo única.

Os acontecimentos da primeira parte do jogo Death Stranding acontecem no mundo dos Estados Unidos da América após o desastre “Death Stranding”, que levou à fusão do mundo dos vivos com o mundo dos mortos, o que levou ao surgimento de estranhas criaturas chamadas “BTs” vagando pela terra, nas quais o jogador desempenha o papel de “Sam”. Bridges é um carteiro cuja missão é entregar suprimentos e conectar cidades isoladas na América.

Publicidade

Durante sua jornada, Sam enfrenta muitos desafios, como o terreno acidentado e as criaturas perigosas, além da “chuva temporal” que acelera o envelhecimento de tudo o que toca. Sam conta com suas habilidades de infiltração e combate, além de seus equipamentos avançados, para se manter vivo e cumprir sua missão.

A ideia de Death Stranding é real?

Pelo site XAlguém tratou de um tema muito interessante relacionado ao Japão, que é um trabalho chamado puka. Este trabalho ou profissão no Japão gira em torno de um grupo de pessoas que transportam diversas mercadorias no Japão em áreas montanhosas de difícil acesso por meios de transporte regulares.

O que chama a atenção e pode não acreditar é que quem se candidata ao emprego de Poca no Japão usa as mesmas escadas que vimos no jogo, e daí surgiu a ideia do gênio Kojima de criar seu jogo, que foi lançado quase simultaneamente com a pandemia de Corona também, e o mundo tornou-se então completamente dependente de mensageiros ou mensageiros. Pessoas que entregam alimentos, mercadorias, etc.

O jogo continua a ser um dos melhores jogos do ano em que apareceu, com o consenso de muitos, mas como dissemos, há um grupo que não gostou do jogo, e no final não é para todos os jogadores.

Kojima está atualmente trabalhando na segunda parte do jogo, aproveitando ao máximo as análises dos jogadores sobre a primeira parte, onde veremos mais ação e momentos decisivos, mais sobre o jogo aqui.

Você está animado para continuar a aventura de Sam em um mundo cheio de caos e quebra-cabeças?

Publicidade

Similar Posts