| | |

Microsoft diz que dividir a Activision e vender Call of Duty não é realista

Publicidade

Publicidade

As coisas ainda estão muito tensas entre as partes conflitantes sobre o acordo com a Activision devido à questão de sua aquisição pela Microsoft. O papel da Sony recentemente ficou muito claro em bloquear este acordo, e depois que dois acordos foram feitos ontem com a Nintendo e a Nvidia, a Activision tem algo a dizer.

A Activision acusou a Sony de tentar “proteger seu domínio de duas décadas em videogames”, o mais recente argumento nas tentativas da Microsoft de fazer com que os reguladores aprovem sua aquisição da Activision por US$ 69 bilhões. É o negócio programado mais caro do mundo dos videogames.

As empresas deram uma conferência de imprensa em Bruxelas hoje após uma audiência fechada com a Comissão Europeia. O vice-presidente e presidente da Microsoft, Brad Smith, dirigiu-se à mídia, discutiu o acordo de Call of Duty e afirmou que vender partes da Activision para ajudar a impulsionar a fusão não parecia provável ou realista.

Publicidade

No resumo da coletiva de imprensa, Smith disse que “o futuro é multiplataforma” e que este acordo significa que Call of Duty precisa rodar bem em todos os consoles, incluindo o Nintendo Switch.

A Microsoft também assinou um acordo com a Nvidia para trazer Call of Duty para GeForce Now, mas Smith disse que a Sony continua se opondo ao acordo. Ele continuou em resposta à oposição da Sony com o seguinte:

“Queremos fechar negócio e fortalecer a posição da Sony? Ou queremos abrir o Call of Duty para até 150 milhões de pessoas a mais?”

Esse número de 150 milhões provavelmente vem da atual base de fãs do Nintendo Switch (que é de 122,55 milhões). e o número de membros do GeForce Now, que um comunicado de imprensa da Microsoft diz ser superior a 25 milhões.

Por quanto tempo essas discussões intensas continuarão e o negócio terá sucesso ou terminará em obstáculos?

Smith também respondeu a uma pergunta sobre a venda da marca Call of Duty para encerrar o acordo com a Activision Blizzard, dizendo: “Não achamos realista cortar uma parte desta empresa do resto.”

Publicidade

Similar Posts